Os Benefícios dos Hidratos de Carbono “Gentis”

Hidratos de carbono GentisOs seguidores do meu Blog, certamente já perceberam que não sou defensor do consumo de hidratos de carbono.

No entanto como fiel seguidor da Dieta Paleo/Primal, posso dizer-vos que esta Dieta pode contemplar Hidratos de Carbono “Gentis”.

Mas afinal, o que são Hidratos de Carbono “Gentis”?

São alimentos ricos em amido, mas que não produzem processos de inflamação no nosso organismo.

Como alimentos ricos em hidratos de carbono “gentis” podemos destacar: o arroz (sem glúten), a batata, a batata-doce, a abóbora e a beterraba.

Alguns destes alimentos podem ser consumidos de forma regular sem qualquer prejuízo para a saúde, mesmo para aqueles que se encontram num processo de perda de peso corporal.

Os alimentos a que me refiro são:

  • Batata-doce;
  • Abóbora;
  • Beterraba.

Depois de se ter emagrecido e se ter atingido o peso corporal pretendido, passamos à fase de manutenção do peso corporal, na qual se podem incluir esporadicamente, a batata e o arroz (sem glúten).

Aproveito para realçar que o arroz, na sua essência natural, não contém glúten, no entanto os armazéns onde se encontra armazenado ou os locais onde posteriormente é embalado, são por vezes os mesmos onde se encontram cereais com glúten, como o trigo, a cevada e o centeio. Esta situação está na origem da “contaminação” do arroz com glúten.

Atualmente, nos hipermercados é relativamente fácil comprar arroz sem glúten, a um preço bastante acessível, quando comparado com o preço de qualquer outro tipo de arroz.

Relativamente à batata, pessoalmente consumo-a, tal como ao arroz, apenas esporadicamente.

Poderia pensar-se que consumir batata de forma regular, não traria qualquer consequência para a nossa saúde, mas mergulhando na literatura médica descobrimos um conceito denominado de Índice Glicémico, que nos faz acreditar no contrário.

O Índice Glicémico indica a velocidade com que o açúcar presente num determinado alimento alcança a nossa corrente sanguínea.

Está provado que certos alimentos, como a batata causam uma subida vertiginosa dos níveis de açúcar no sangue, que em seguida baixam drasticamente.

Estas subidas e descidas repentinas dos níveis de açúcar no sangue são acompanhadas por picos de insulina. A insulina é uma hormona produzida no pâncreas, como resposta à elevação dos níveis de açúcar na corrente sanguínea, podendo por vezes reduzir esses níveis, para valores abaixo dos índices normais, provocando situações de hipoglicémia.

O nosso organismo ao estar constantemente sujeito a estas subidas repentinas dos níveis de insulina, durante vários anos, acaba por sofrer algumas consequências, nomeadamente o aparecimento de uma doença, intitulada de Resistência Insulínica, que por sua vez se pode traduzir em diabetes.

Os estudos indicam que, a maioria dos países consomem tanta batata como açúcar refinado.

Aproveito para fazer esta comparação, porque o valor do índice glicémico da batata é praticamente idêntico ao do açúcar refinado. O que acontece é que, ao fazerem uso regular de batata na vossa alimentação, acabam por ingerir o dobro da quantidade de açúcar, ou seja, o consumo regular de batata em conjunto com o açúcar que ingerem noutro tipo de alimentos, duplica os vossos níveis de açúcar no sangue, o que representa picos de insulina ainda maiores!

Quero realçar, que a batata a que me refiro, não é processada, mas ainda assim há que fazer restrição no seu consumo. Em Portugal, a maioria da batata consumida é altamente processada, na forma de batatas fritas empacotadas, puré de batata instantâneo, entre outros, que contêm aditivos prejudiciais, tais como: sal refinado, óleos vegetais, gorduras trans e vários corantes e conservantes.

As batatas têm na sua constituição anti nutrientes:

  1. Saponinas – Se questionarem o vosso médico de família ou mesmo alguns nutricionistas sobre o que são as saponinas da batata, provavelmente, eles responderão que nunca ouviram falar em tal conceito. As saponinas são toxinas potentes ou até mesmo letais, que raramente são consideradas perigosas, especialmente, por falta de conhecimento da sua existência. A sua principal função é proteger a raiz da batata do ataque de insetos e de infeções geradas por alguns micróbios. Como é considerada uma toxina que combate os predadores da batata, é ao mesmo tempo considerada prejudicial ao ser humano. Esta toxina dissolve as membranas celulares, ou seja, pode provocar hemólise dos eritrócitos (destruição da membrana celular dos glóbulos vermelhos). Além disso pode originar “buracos” no revestimento do intestino, o que pode estar na origem de uma doença, intitulada permeabilidade intestinal, na qual se verifica a passagem de toxinas do intestino para a corrente sanguínea. Na literatura médica existem pelo menos 30 mortes registadas por saponinas da batata. Realço aqui, que a maior concentração de saponinas se encontra na casca da batata e que, normalmente as saponinas da batata são responsáveis por um envenenamento lento, que se manifesta através de determinadas patologias que surgem na velhice.
  2. Lectinas – As lectinas prejudicam o intestino, causando permeabilidade intestinal, tal como acontece com as saponinas. Causam também vários danos no organismo, tais como: alergias, inflamação, doenças autoimunes e problemas digestivos. A toxicidade apresentada pelas lectinas diminui quando estas são submetidas a um processo de cozedura, no entanto advirto que, mesmo depois de cozinhadas, conseguem manter alguma da sua atividade. Além dos tubérculos, também os cereais possuem lectinas, cuja função é a defesa contra o ataque de microrganismos, sendo também estes,tóxicos para o nosso organismo. Os vegetais que crescem principalmente durante a noite, como o tomate, a berinjela e o pimentão, também contêm lectinas, e por isso devem ser consumidos somente quando estão bem maduros.

A batata-doce apresenta como vantagem, um baixo índice glicémico. Existem também provas de que a batata-doce fazia parte da alimentação humana há muitos anos atrás, ao contrário da batata “normal”, que provém da América do Norte há pouco mais de 600 anos. A título de curiosidade, posso dizer-vos que o povo de Okinawa consome bastante batata-doce e são muito saudáveis.

Em relação ao arroz, este possui um elevado índice glicémico, que é prejudicial para o nosso organismo. Além disso contém lectinas, já que está integrado no grupo dos grãos. Pessoalmente, ingiro arroz (sem glúten) apenas esporadicamente, como já referi anteriormente.

Normalmente, na minha casa o arroz é utilizado quando se faz canja de galinha (do campo), que contém gorduras benéficas, sendo o arroz utilizado para substituir as massas processadas, com que a maioria faz a sua canja.

Conclusão
  • Aconselho o consumo de hidratos de carbono gentis, apenas às mulheres quando se encontram na fase menstrual, a desportistas profissionais, que os devem ingerir no período pós-treino e a quem padeça de fadiga adrenal ou estresse crónico, já que existem provas, de que os hidratos de carbono melhoram a absorção de triptofanos e os níveis de serotonina a nível cerebral, promovendo também o sono.
  • Aconselho que ingiram, predominantemente, batata-doce, abóbora e beterraba e raramente, batata e arroz, que embora sejam hidratos de carbono naturais e não processados, possuem um elevado índice glicémico, o que acarreta distúrbios para a nossa saúde.
  • Está comprovado cientificamente que uma dieta baixa em hidratos de carbono é bastante benéfica para a saúde, por isso optem por consumir em 1º lugar gorduras boas e proteína, deixando para último os hidratos de carbono.
  • A minha experiência pessoal demonstrou-me que não é necessário um consumo elevado de hidratos de carbono, sendo apenas necessário e imprescindível o consumo de hidratos de carbono, provenientes dos vegetais e da fruta!

Termino com uma citação: “Só sabemos com exactidão quando sabemos pouco; à medida que vamos adquirindo conhecimentos, instala-se a dúvida”. (Johann Goethe)”.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

WordPress Anti Spam by WP-SpamShield