O Poder Medicinal da Água

ÁguaSomos constituídos por água…

Como é do conhecimento geral, o nosso organismo é constituído por cerca de 70% de água. Pormenorizando, as crianças têm cerca de 85% de água na sua constituição, enquanto os idosos apenas possuem cerca de 60% de água, o que significa que à medida que envelhecemos, nos vamos desidratando.

Estas são as percentagens gerais de água existente no nosso organismo, no entanto o plasma sanguíneo é constituído por cerca de 90% de ÁGUA PURA.

Por tudo isto, devemos dar à água a importância que ela merece.

Como é que a água pode influenciar a nossa saúde?

A doença é uma manifestação de que alguma, ou de que várias coisas, não estão bem no nosso organismo, pois se nos mantivermos saudáveis, as doenças, dificilmente se conseguirão instalar no nosso corpo.

As células que fazem parte da nossa constituição possuem uma determinada idade, designada de idade celular, que é determinada pelo meio ambiente onde se encontram essas mesmas células.

Assim, se as células se encontrarem em ambientes contaminados deixarão de ser saudáveis, já que a sua vitalidade depende da qualidade do meio ambiente envolvente.

Um exemplo prático, que ajuda a entender esta situação, é o que acontece a um peixe dentro de um aquário:

A verdade é que podemos ter um aquário de qualidade superior ao normal, alimentar devidamente o peixe e dar-lhe tudo o que ele necessita. No entanto, se não mudarmos a água do seu habitat (neste caso, a água do aquário), a água ficará suja, pobre em nutrientes, o peixe ficará doente e a sua sobrevivência será posta em causa.

Algo de semelhante ocorre com as nossas células, que necessitam de um meio envolvente saudável, para que possam permanecer também saudáveis.

As nossas células possuem proteínas integradas, intituladas aquaporinas, que possuem um poro seletivo para a água, que permite a rápida entrada de água pela membrana celular, favorecendo o processo de osmose.

A desidratação anda de “mãos dadas” com a dor crónica, devido ao aumento de estamina e diminuição da serotonina, que por sua vez provoca estados de depressão e tristeza, tão comuns em pessoas que sofrem de dor crónica.

A desidratação, entre outros distúrbios, também provoca deficiência enzimática.

Quando se fala em desidratação pode constatar-se que, 66% da desidratação ocorre no interior da célula, 26% no interstício e somente 8% no sangue, o que demonstra que a maior percentagem de desidratação ocorre no interior da célula, ou seja, é intracelular.

A desidratação severa pode levar à morte, mas este estado orgânico tão extremo não nos vai preocupar, por agora.

O que realmente nos deve preocupar é a desidratação que não sentimos, ou seja, aquela que ocorre sem nos apercebermos! A sensação de sede ou de boca seca, pode ser um sinal de que já estamos desidratados há algum tempo e por isso é importante não deixarmos que isso aconteça. Para isso não devemos esperar sentir sede, para bebermos água. A ingestão de água deve ser um comportamento frequente.

Existem algumas situações que podem contribuir para um estado de desidratação, como a ocorrência de febre, sudorese intensa, vómitos ou diarreia. No entanto, a situação mais grave é, simplesmente, a de ingerir diariamente pouca água.

A ingestão diária de água tende a diminuir com a idade, já que a sensação de sede se torna menos percetível e é por este motivo que, quanto mais velhos ficamos, mais devemos “forçar” a ingestão de água.

Alguns exemplos…

A diabetes é uma das doenças que provoca desidratação. Uma pessoa diabética urina mais frequentemente, pelo que, quem padece desta doença precisa equilibrar as perdas excessivas de água, necessitando de um maior consumo diário de água.

Um outro exemplo, refere-se a atletas ou a todos aqueles que sigam rotinas de treino rigorosas e intensas, já que apresentam grandes probabilidades de padecer de desidratação. Os atletas que executam rotinas de treino de resistência, que exigem um esforço físico intenso durante várias horas, acompanhados de sudorese intensa, estão mais suscetíveis de sofrer de desidratação.

A desidratação é cumulativa, ou seja, vai-se acumulando, o que significa que quem faz rotinas de treino diário, sem fazer uma correta ingestão de água, pode ter consequências graves para a sua saúde.

Alguns culturistas dos anos 70, como Serge Nubret, treinavam várias horas diárias sem ingerirem água, com o intuito de manter o corpo completamente seco e isento de retenção de líquidos. Alguns anos antes de morrer, Serge Nubret afirmou que, não ingerir água durante os treinos foi um dos maiores erros da sua vida.

Nos meus treinos diários, em todos os exercícios ingiro um ou dois golos de água, por cada serie que efetuo. Ao longo do dia ingiro cerca de 2,5 litros de água a mais, a acrescentar aquela que ingiro durante o treino.

Sintomas de desidratação:

  • Boca seca;
  • Sonolência ou cansaço;
  • Sede;
  • Diminuição da produção de urina;
  • Poucas lágrimas ao chorar;
  • Pele seca;
  • Dor de cabeça;
  • Constipação intestinal (obstipação);
  • Tonturas ou vertigens (quando se levantamos rapidamente e sentimos tonturas, pode ser um sinal de desidratação);
  • Irritabilidade;
  • Aumento do ritmo cardíaco;
  • Febre;
  • Delírio ou inconsciência;
  • Enjoos (os enjoos matinais sentidos por algumas grávidas, podem ser sinónimos de desidratação).

Normalmente utilizo um método bastante simples para verificar se estou ou não desidratado –  quando vou urinar, a minha urina deve ser da cor da água do fundo da sanita, ou seja, o mais clara possível. Se a urina estiver muito amarelada, é sinal de desidratação.

A não ser que estejam a tomar vitaminas do complexo B, ou qualquer outro complexo vitamínico. Nesse caso, a vossa urina ficará bastante amarelada, no entanto essa coloração não se deve a desidratação, mas ao complexo vitamínico que estão a ingerir.

Existe um outro sinal a que podem estar atentos –  quando as fezes ficam a flutuar na água da sanita, em vez de se depositarem no fundo da mesma.

Noção de Ph

O Ph indica a acidez, a neutralidade e a alcalinidade de uma determinada solução aquosa e varia entre 0 e 14. De um modo geral:

  • Um Ph < 7,0 é considerado ácido;
  • Um Ph = 7,0 é considerado neutro;
  • Um Ph > 7,0 é considerado básico ou alcalino.

O Ph das crianças é alcalino, mas à medida que envelhecemos o nosso Ph torna-se mais ácido. Se pretendermos manter a nossa juventude teremos que tornar o nosso Ph corporal mais alcalino, ou seja, temos que nos alcalinizar.

O Ph sanguíneo, normalmente, encontra-se entre 7,35 – 7,41, ou seja é alcalino.

O cancro, uma patologia atualmente tão comum, ocorre em meio ácido. Pode mesmo afirmar-se que o açúcar e a acidez do nosso organismo, muitas vezes causada por diversos erros alimentares, são dois importantes aliados das células cancerosas.

Se prestarmos atenção ao rótulo das águas minerais, ou dos refrigerantes que adquirimos nos hipermercados, facilmente percebemos que o Ph é na grande maioria ácido (Ph <7,0).

A maioria das águas possui um Ph abaixo de 7,0 enquanto os refrigerantes possuem um Ph que ronda os 2,5.

Um exemplo curioso: quando ingerem 1 copo de refrigerante (Ph = 2,5), necessitam beber 32 copos de água, para neutralizar a acidez provocada pelo refrigerante que ingeriram. Pensem no que acontecerá a todos aqueles que, diariamente ingerem 1 litro ou mais de refrigerantes…

Na hora de selecionar a água que devemos comprar é muito importante não esquecer que, se queremos manter-nos alcalinos, então teremos que consumir água alcalina, deixando para trás todos os refrigerantes e outros produtos alimentares que contribuam para acidificar o nosso organismo.

Dicas para escolher uma boa água:

  • O Ph tem que ser alcalino, de preferência superior a 7,4;
  • A tensão superficial deve ser baixa, para subir mais facilmente pelos capilares sanguíneos;
  • Deve possuir na sua constituição maior quantidade de substâncias anti oxidantes, que oxidantes;
  • Deve possuir caraterísticas magnéticas, ou seja caraterísticas similares às que possuía, quando se encontrava no subsolo.

Na minha casa, todos ingerimos Água de Monchique, que possui um Ph de 9,5, sendo considerada a mais alcalina de Portugal e uma das mais alcalinas do mundo.

Bernardo Pinto Coelho, filho do Dr. Manuel Pinto Coelho (um grande médico Português), também consome Água de Monchique. Ele padece de ELA (Esclerose Lateral Amiotrófica), que se tem mantido adormecida por ter adotado a Dieta Paleo e métodos de vida saudável.

Já que abordei o nome deste grande Médico, recomendo a leitura do seu livro “Chegar Novo a Velho” que é um dos melhores livros que já li, baseado em literatura cientifica atual , aborda temas como, saúde, nutrição, suplementos,… acreditando que é possível envelhecer de forma saudável.

A importância da água do mar

As primeiras formas de vida apareceram no mar, o que significa que a água do mar reúne todas as condições que permitem o aparecimento e a manutenção da vida!

Na constituição da água do mar estão presentes todos os elementos necessários aos seres vivos, incluindo ao Homem.

Se bebermos água mineral, vamos ingerir alguns minerais essenciais, mas se bebermos água do mar, estaremos a ingerir TODOS os minerais importantes!

A água do mar tem um Ph de 8,4, o que faz com que vários microrganismos não consigam sobreviver neste meio, já que estes necessitam de um meio ácido para sobreviverem e proliferarem.

A água do mar é um dissolvente e tem uma composição muito semelhante à do plasma sanguíneo, sendo constituída por cerca de 118 minerais e oligoelementos. Este é um dos principais motivos, que nos levam a afirmar que a água do mar possui importantes potencialidades terapêuticas!

A análise química efetuada comprova que os sais que estão presentes no plasma sanguíneo são os mesmos que os existentes na água do mar: cloro, sódio, potássio, cálcio, magnésio, enxofre, silício, carbono, fósforo, flúor, ferro, amónio, e em doses muito pequenas: iodo, bromo, manganésio, cobre, chumbo, zinco, lítio, prata, arsénio, boro, bário e alumínio.

Algumas experiências feitas com animais doentes, demonstraram que ao serem feitas transfusões no animal, utilizando água do mar, estes conseguiam recuperar a sua vitalidade.

Aplicações importantes da Água do Mar:

  • É considerada, como o melhor sal de cozinha que podemos utilizar;
  • Pode ser utilizada para fazer água mineral de melhor qualidade;
  • É um poderoso desinfetante, que pode ser utilizado para infeções da cavidade oral;
  • Apresenta poder cicatrizante em feridas localizadas na cavidade oral;
  • Funciona como um laxante;
  • Limpa a pele;
  • Permite alcalinizar e regular o nosso meio interno;
  • É considerado um ótimo nutriente para as células;
  • Atua como desinfetante, que pode ser utilizado em frutas e vegetais;
  • Ajuda a controlar o peso corporal, uma vez que inibe o apetite, pois o organismo encontra-se mais nutrido em sais minerais,
  • Melhora o processo de filtração renal, contribuindo para regular a pressão arterial. Todos os minerais e oligoelementos presentes, auxiliam na execução de todos os processos eletrolíticos;
  • Pode ser utilizada para fazer sessões de termas em casa. Para isso deve encher-se a banheira com água morna (cerca de 100 litros) e adicionar 2 Kg de sal marinho. Deve ficar-se em imersão diariamente, durante aproximadamente 30 minutos. O processo deve ser repetido diariamente, durante 15 dias.

As sessões de termas caseiras ou no próprio mar:

  • Auxiliam o funcionamento renal, pelo princípio de osmose (movimento espontâneo de água através de uma membrana semipermeável, provocado por diferenças de pressão osmótica);
  • Previne o aparecimento de gripes, já que todo o organismo se encontra melhor nutrido.

Mas será que podemos beber água do mar?

Não devemos beber água do mar totalmente pura, a não ser que nos encontremos numa situação extrema de privação alimentar ou hídrica. Neste caso e em modo de sobrevivência, podemos ingerir 1/3 de um copo de água do mar, de 3 em 3 horas, até ao máximo de 0,5 litros por dia, para evitar que o sal provoque desidratação, no nosso organismo.

No nosso dia-a-dia, para a podermos ingerir seria necessário misturar 5 partes de água mineral (solução hipotónica – possui uma concentração inferior de soluto) com 2 partes de água do mar (solução hipertónica – possui uma concentração superior de soluto). Simplificando, para um total de 5 litros de água seria necessário misturar 3,5 litros de água mineral com 1,5 litros de água do mar, recolhida longe da costa. A água obtida é designada de, isotónica.

No meu caso, que vivo longe do mar, optei por diluir 2 colheres de sobremesa de sal marinho ou de flor de sal, em 5 litros de água mineral. Pessoalmente, considero impercetível o gosto do sal dissolvido na água, no entanto pessoas mais sensíveis à salinidade, aconselho a colocarem a água no frigorífico ou até mesmo a adicionar umas gotas de limão, de forma a dissimular o gosto a sal.

Que quantidade de água devemos ingerir diariamente?

Existem diversas substâncias essenciais à nossa sobrevivência, entre elas encontram-se o oxigénio, o sal e a água.

O consumo diário de água deve rondar os 10 a 12 copos, o que equivale a 2 ou 3 litros de água, por dia.

O consumo de elevadas quantidades de água tem enormes benefícios, como já referi, porém pode trazer como consequência, hiponatremia. Isto significa que pode ocorrer uma hemodiluição dos sais minerais do nosso organismo, que vão sendo excretados devido a um maior fluxo de urina. Para compensar essa diluição e excreção dos sais minerais, devemos adicionar água do mar à nossa água mineral, ou se vivermos longe do mar, adicionar-lhe sal marinho natural ou flor de sal.

O sal marinho puro, não refinado, pode conter até cerca de 80 sais minerais na sua constituição, por isso contribui para repor todos os sais excretados pela urina, assim como os que são eliminados através do suor e que são essenciais ao nosso organismo.

Como já fiz referência anteriormente, podem diluir 2 colheres de sobremesa de sal marinho puro ou de flor de sal, em 5 litros de água mineral. Se considerarem mais prático, também podem optar por diluir meia colher de café de sal marinho puro, em 1,5 litros de água mineral.

Pessoalmente já não utilizo uma medida padrão demasiado rigorosa, limito-me a colocar uma pitada de sal marinho puro em 1 litro de água e coloco-a no frigorífico, para a ir ingerindo ao longo do dia.

Tento sempre ter 2 ou 3 garrafas pré- preparadas, pois além de ingerir esta água em casa, habitualmente também levo para o meu local de trabalho, a minha “Solução de água alcalina com sal marinho puro!

Se sentirem muito o sabor a sal, devem reduzir a quantidade do mesmo, ou optar pelas alternativas que vos apresentei anteriormente.

O sal aumenta a tensão arterial?

Quero salientar que o consumo de água mineral com sal marinho não potencia o aumento da tensão arterial, posso mesmo afirmar que acontecerá o contrário.

O único sal capaz de provocar hipertensão arterial é o sal de mesa, ou qualquer outro tipo de sal de cozinha, que seja refinado. O sal de cozinha, além de ser refinado, apenas possui na sua constituição dois sais minerais, o cloreto e o sódio, enquanto o sal marinho puro, não refinado possui cerca de 80 sais minerais, entre eles o magnésio, que contribui para baixar a tensão arterial.

Eu ingiro água mineral alcalina (Água de Monchique) com sal marinho natural e a minha tensão arterial é de 90 cm Hg para a pressão sistólica e de 60 cm Hg para a pressão diastólica, o que em linguagem comum, equivale a uma tensão de 9/6.

Conclusão:
  • Toda a água que possua um pH alcalino (pH > 7,0), deve ser encarada como um remédio natural!
  •  A água que possui um pH elevado, normalmente tem origem no cimo de uma serra ou de uma montanha, mas há medida que vai descendo, vai sofrendo algumas alterações e contaminações, tornando-se mais ácida e ficando com um pH mais baixo.
  • Quanto maior for o pH da água, mais oxigénio ela contém, o que contribui para uma melhor oxigenação das células e dos tecidos do nosso organismo, tornando-o assim mais saudável. Daí a enorme importância de ingerirmos água com pH alcalino (pH> 7,0).
  • Por volta dos 40 anos de idade, o nosso corpo perde a sua capacidade de tamponamento (capacidade de evitar grandes variações de pH), não conseguindo alterar o pH de ácido para alcalino.
  • O pH do sangue situa-se entre 7,35 – 7,41. Ao bebermos água com um pH de 9,5, o nosso corpo irá reagir, utilizando a sua capacidade de tamponamento – para manter o valor do pH do sangue, “transporta a alcalinidade” excessiva para os diferentes tecidos,  que é extremamente benéfico.
  • Sendo a água o principal componente do nosso organismo e assumindo a importância que tem, sou da opinião que a primeira aula de qualquer faculdade de medicina deveria abordar o tema “A Importância da Água”.
  • Se o poder medicinal da água nunca for reconhecido pela medicina, o incentivo ao seu consumo, nunca será suficiente. O consumo adequado de água, certamente nos pouparia de muitos problemas de saúde.

Termino com uma citação: “Enquanto o poço não seca, não sabemos dar valor à água”. (Thomas Fuller)

8 comentários a “O Poder Medicinal da Água

  1. Ola. Gostava de saber se as aguas termais sao boas para consumo e quais as diferenças na sua composição(visto terem fins medicinais) ? Outra questão é se uma agua vinda de uma fonte corrente de forma natural, apartida é mais saudavel do que agua comercializada(visto nao termos acesso aos componentes da agua da fonte natural)?

    • Olá, David!

      A água da torneira é uma água quimicamente tratada e pobre em sais minerais, enquanto as água termais possuem um pH alcalino e são ricas em sais minerais.
      AS águas termais podem ser consumidas, desde que sejam consideradas águas potáveis, ou seja, próprias para consumo humano e as suas propriedades terapêuticas dependem muito dos sais minerais que as constituem.
      As águas engarrafadas que bebemos são águas termais, mas com um teor reduzido de sais minerais.
      Em relação ao consumo de água proveniente de uma fonte natural, o mais importante é tentar saber, mediante análises (bacteriológica e físico-química), se essa água é própria para consumo humano, assim como a sua composição mineralógica e respetivo pH.
      A água de Monchique é a água mais alcalina de Portugal e uma das mais alcalinas do Mundo, sendo fácil enriquecê-la ainda mais com sais minerais, juntando uma pitada de sal marinho natural, como é referido no artigo.

      Espero ter esclarecido as tuas dúvidas!

      Carlos Coelho

  2. Boa tarde, gostei muito do artigo, só fiquei com uma dúvida, qual a quantidade de água com sal marinho que podemos ingerir diariamente.
    Agradeço desde já o esclarecimento
    Victor Simões

    • Olá Victor!

      Diariamente, devemos ingerir, no minimo, cerca de 2L de água, para mantermos o nosso corpo hidratado.
      Se optares por consumir água com sal marinho, a regra mantem-se, ou seja, podes beber a quantidade que desejares, tendo o cuidado de respeitar a proporção correta de água e sal marinho, descrita no artigo.
      Se treinares ou se tiveres um trabalho intenso em que ocorra elevada transpiração, a água com sal marinho ajuda a repor todos os sais perdidos na transpiração, além de te ajudar a manter o corpo alcalino.
      Uma última nota muito importante é saberes escolher corretamente o sal marinho que adicionas à água, pois nem todo o sal marinho é natural.
      Na hora de comprares deves sempre ver o rótulo e escolher: sal marinho natural não refinado, que contenha pelo menos 80 sais minerais, naturalmente presentes na água do mar, sal rosa dos Himalaias (contém cerca de 84 sais minerais) ou flor de sal.

      Cumprimentos

      Carlos Coelho

      • Bom dia Carlos Coelho
        Agradeço desde já a sua resposta, e aproveito para colocar mais uma dúvida.
        Já fiz a experiência, dilui 13,5 gr de flor de sal em 1,5l de água engarrafada de Monchique, diz no rótulo que tem um PH 9,5, não tive dificuldade em beber, mas agora surge a questão, mantendo a alimentação que fazia, não estarei a consumir mais sal que o devido? tenho como procurar uma lista de alimentos que não se deve consumir? é que já tentei, mas não consegui chegar a essa informação.
        Mais uma vez agradeço a atenção e apoio dispensados, a este principiante que se interessou por este mundo.

        Cumprimentos

        Victor Simões

  3. Bom Dia Carlos
    Posso misturar 1 colher de chá de sal marinho directamente em 1.5L de agua da torneira, ou têm que ser agua mineral?

    Obrigado
    Pedro Guiomar

    • Bom dia Pedro!
      Podes juntar o sal marinho em agua da torneira.
      Quanto à quantidade de sal marinho, coloca 1 colher de café de sal marinho em 1,5L e não 1 colher de chá.
      Qualquer duvida comenta no blog!

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

WordPress Anti Spam by WP-SpamShield