A Importância do SHBG na Biodisponibilidade da Testosterona

SHBG O SHBG (Proteína de Transporte das Hormonas Sexuais) é uma proteína produzida pelo fígado e que está relacionada com a diminuição dos níveis de Testosterona Livre.

Quando pedimos ao médico, análises para dosear os níveis séricos de Testosterona, os resultados que obtemos, apenas são referentes aos níveis de Testosterona Total, no entanto também existe a Testosterona Livre, que não poderemos esquecer e que é importante quantificar. Continuar a ler

Açafrão – Uma especiaria esquecida mas com poderes medicinais!

AçafrãoAcreditam no poder medicinal de algumas plantas?

Acreditam na cura através de plantas naturais?

Consideram possível a existência de plantas que atuam como verdadeiros medicamentos?

Se a vossa resposta foi “NÃO”, continuem a ler este artigo, porque vou provar-vos o contrário! Continuar a ler

Cacau – O Mais Potente Antioxidante Natural do Mundo

CacauComo já devem saber sou grande defensor da Dieta Paleo/Primal, e o açúcar não é um ingrediente permitido neste estilo de vida. Isso não significa que tenhamos que eliminar da nossa alimentação, bolos, biscoitos ou sobremesas. Afinal, quem não sente necessidade de ingerir doces, de vez em quando? Aliás isso acontece ainda mais, a quem se encontra proibido de os consumir, seja por que motivo for.

Se por um lado o açúcar é um ingrediente proibido, por outro lado a natureza oferece-nos um ingrediente doce e admitido na Dieta Paleo/Primal, o mel! Este “néctar dos Deuses” é bastante saudável e podemos utilizá-lo como substituto do açúcar,  mas saborear um pouco de chocolate, além de tentador, dá-nos uma sensação de prazer, que poucos alimentos conseguem substituir!

Se pensam que não podem presentear-se com chocolate na Dieta Paleo/Primal, saibam que estão muito enganados!  Continuar a ler

Comer Menos Refeições Para Obter Mais Resultados

Comer com Menor FrequenciaQuantas refeições diárias serão necessárias para aumentar a massa muscular?

No decorrer  da minha juventude, foram vários os anos em que ingeri 5 a 6 refeições diárias, com o objetivo de manter o anabolismo e evitar o catabolismo. Nos anos 80/90, este era o conceito que transparecia nas revistas de musculação e que eu seguia religiosamente!

Na altura, sentia-me um “escravo da alimentação”, pois comia de 3 em 3 horas e tinha que programar e preparar as minhas refeições a cada 2 horas e meia.

Será realmente necessário fazer 5 ou 6 refeições diárias, para construir músculo?

Quantas refeições deveremos fazer diariamente para evitar o catabolismo muscular?

Será que o nosso organismo está adaptado a ingerir, diariamente, 5 ou 6 refeições?

Continuar a ler